Paranóias...
Às 6:00 da manhã o despertador tocou, e eu não quis me levantar, não apenas porque estava com muito sono, mas porque lá fora estava repleto de gente idiota das quais eu não queria ver.
Hélder Mariano.

O amor não é máquina. Não tem “arraste para desbloquear”.
O amor é analógico e monotarefa. Não tem 9999 jogos em um. Amor é bicho. Voa. Passarinho que a gente ganha criança, no natal, de presente dos pais, meio decepcionado por preferir o iPhone ou um computador, e fica por horas encarando, emburrado, aquele conjunto frágil de ossinhos revestidos por carne fina e penas amarelinhas, reluzindo ao sol, com o bico por entre as frestas da gaiola.

Ele não faz nada, só canta o dia inteiro. Uma nota só. E é burro, burro feito uma porta. Por não saber voar direito, a gente deixa que se banhe nas poças d’água do quintal pelas manhãs. Solta por confiar e achar bonito quando ele pula e sacode as peninhas encharcadas. No nascer da tarde, a gente engaiola de novo pra que ele não saia.
Mas o amor, de tão preso, se aborrece. E faz voto de silêncio dentro da gaiola da gente.

Um dia a gente solta o amor pra pular mansinho por entre as poças do quintal. Ele salta, bate as asinhas. Cai.
Tenta de novo, e de novo, por horas e horas, até que sai voando.
E a gente nem repara na hora, mas quando vê, chora, grita, esperneia. Chora por sentir falta do canto e por ver a gaiolinha vazia. No outro dia a gente traz mais um pardal para casa com a asinha machucada, sabendo que ele vai voar ou fugir por entre as frestas. Tenta ouvir no segundo o canto do primeiro, e no terceiro, o canto do segundo. E por saber que ele provavelmente sairá voando, não deixa mais que ele se banhe livre nas poças d’água. Mas ele se vinga da gente, e nunca canta. A casa é sempre um silêncio. Parece planejar sua fuga, dia após dia, com aqueles olhinhos pretos.

Serinus Canaria
Só acho que alguém já podia me amar, né?
— Qual o problema com você?
— Você é o meu problema.
Skins. 
Tu combina comigo, só comigo.
Dizem que a gente tem o que precisa. Não o que a gente quer. Tudo bem. Eu não preciso de muito. Eu não quero muito. Eu quero mais. Mais paz. Mais saúde. Mais dinheiro. Mais poesia. Mais verdade. Mais harmonia. Mais noites bem dormidas. Mais noites em claro. Mais eu. Mais você. Mais sorrisos, beijos e aquela rima grudada na boca. Eu quero nós. Mais nós. Grudados. Enrolados. Amarrados. Jogados no tapete da sala. Nós que não atam nem desatam. Eu quero pouco e quero mais. Quero você. Quero eu. Quero domingos de manhã. Quero cama desarrumada, lençol, café e travesseiro. Quero seu beijo. Quero seu cheiro. Quero aquele olhar que não cansa, o desejo que escorre pela boca e o minuto no segundo seguinte: nada é muito quando é demais.
Caio Fernando Abreu. 
Só porque alguém te machucou uma vez, não significa que tem que excluir totalmente de sua vida. As coisas mudam. Pessoas crescem.
Pretty Little Liars. 
Sabe qual é o segredo? Não depender de ninguém.
Johnny Depp.  
já era, tranquilo, tamo junto e ta firmão
Eu amo esse lance de troca de olhares.
As pessoas se olham e não se falam, se esbarram na rua e se maltratam. Usam a desculpa de que nem Cristo agradou, falô. Cê vai querer mesmo se comparar com o Senhor?
Criolo Doido
De repente deu uma saudade. Deu tanta saudade.
Coração chama por você.
Me perdoe, mas não consigo te esquecer. Não consigo passar uma borracha em tudo o que sinto por você e nem em tudo o que já vivemos juntos.
Me perdoe, mas te amo mais do que demostrei. 
parece que nasci para chorar e fugir disso só acabaria comigo mais tarde…
Leticia Amanda
Mas eu odeio principalmente, não conseguir te odiar. Nem um pouco, nem mesmo por um segundo, nem mesmo só por te odiar.
10 coisas que eu odeio em você. 
© theme